The Preparation of a Matrix of Occupational Health and Safety Risks in a Wood Company

Main Article Content

Vilson Menegon Bristot
Didiane Ana Gonçalves
Nilzo Ivo Ladwig
Márcio Carlos Just
Bruno Brogni Uggioni
Vilmar Menegon Bristot
Juliano Bitencourt Campos
Leopoldo Leopoldo Pedro Guimarães Filho

Abstract

Logging companies are extremely important in the economy of the country, but the large number of occupational accidents is of concern in this sector. It is therefore essential to act preventively in the cause of these accidents by identifying and controlling hazards. Thus, the objective of this work was to elaborate an Occupational Health and Safety Risk Matrix in a logging plant in Criciúma - SC. To this end, the applied matrix is based on the requirements set forth in BS OHSAS 18001: 2007. As a result it was observed that the greatest risk is incorrect posture and intense physical effort, as well as noise and projection of wood residues in the eyes and skin. It was inferred that with the matrix it was possible to identify the points in which a company should seek quick solutions to minimize the risks to which its employees are subjected daily.

Downloads

Download data is not yet available.

Article Details

How to Cite
Menegon Bristot, V., Ana Gonçalves, D., Ivo Ladwig, N. ., Carlos Just, M., Brogni Uggioni, B., Menegon Bristot, V., Bitencourt Campos , J. ., & Leopoldo Pedro Guimarães Filho, L. . (2019). The Preparation of a Matrix of Occupational Health and Safety Risks in a Wood Company. International Journal for Innovation Education and Research, 7(11), 22-29. https://doi.org/10.31686/ijier.vol7.iss11.1830
Section
Articles

References

[1] BATISTA, A. G.; SANTANA, V. S.; FERRITE, S. Registro de dados sobre acidentes de trabalho fatais em sistemas de informação no Brasil. Ciência & saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, 2019.

[2] BONATO JUNIOR, A. I.; ROCHA, M. P.; JUIZO, C. G. F.; KLITZKE, R. J. Efeito do sistema de desdobro e das classes diamétricas no rendimento em madeira serrada de Araucaria angustifólia. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 24: e00100414, 2017.

[3] BRASIL. Portaria nº 25, de 29 de dezembro de 1994. Dispõe sobre Norma Regulamentadora 9. Programa de prevenção de riscos ambientais. Disponível em < http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr9.htm > Acesso em 01/07/2019.

[4] BRUCH, J. M. Identificação de Perigos e Avaliação de riscos em uma Máquina da Linha de produção de cabos de Telecomunicação 2015. Monografia de Pós-Graduação (Engenharia de Segurança do Trabalho) – UTFPR, Curitiba, 2015.

[5] BSI, 1999: OHSAS 18001:2007. Especificação para Sistemas de Gestão de Saúde Ocupacional e Segurança, Reino Unido.

[6] CABRAL,S.G; RODRIGUES,V.V. Construção da Matriz de Risco na Atividade de Demolição com a Utilização do Martelo Rompedor. Revista Pensar Gestão e Administração, v. 3, n. 2, 2015. Disponível em: Acesso em 20/06/2019.

[7] CAMARGO, RD; BRAGA, ES; FERREIRA, AF; CARVALHO, JT. Trabalho em altura x acidentes de trabalho na construção civil. Revista Teccen, v.11, n. 2, 2018. Disponível em: Acesso em: 26/06/2019.

[8] FARIAS, J. A.; BIALI, L. J.; WELTER, C. A.; SOUZA, P. D. De S.; SCHNEIDER, P. R. Demanda de madeira para serrarias e potencial de Investimento Florestal Na Bacia Hidrográfica Do Rio Pardo, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 4, 2018.

[9] IBA – INSTITUTO BRASILEIRO DE ÁRVORES. Relatório anual de 2017. Disponível em: Acesso em 18/06/2019.

[10] MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. 8.ed. São Paulo: Futura, 2000.

[11] MELLER, G. S. Elaboração da matriz de riscos e perigos em uma empresa de beneficiamento de carvão-mineral. 2011. Monografia de Pós-Graduação (Engenharia de Segurança do Trabalho) – UNESC, Criciúma, 2011.

[12] MENDOZA, Z. M. dos S. H de; BORGES, P. H. de M. Segurança do trabalho em serrarias. Multitemas, Campo Grande, MS, v. 21, n. 49, 2016.

[13] SOBIERAY, T. N. C.; NOGUEIRA, M. C. J. A.; DURANTE, L. C.; LAMBERT, J. A. Um estudo sobre o uso de equipamentos de proteção coletiva como prevenção de acidentes em indústrias madeireiras de Mato Grosso. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v.18, 2007. Disponível em Acesso em 23/06/2019.

[14] SOUZA, A. N.; OLIVEIRA, A. D.; SCOLFORO, J. R. S.; MELLO, J. M.; CARVALHO, L. M. T. Modelagem do rendimento no desdobro de toras de eucalipto cultivado em sistema agroflorestal. Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, 2007.

[15] SOUZA, V.; VERA, L. G. B.; CALVO, M. C. M. Cenários típicos de lesões decorrentes de acidentes de trabalho na indústria madeireira. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n.0036, 2002. Disponível em: Acesso em: 21/06/2019

[16] VECHI A. de.; MAGALHÃES JÚNIOR C. A. de O. Aspectos Positivos e Negativos da Cultura do Eucalipto e os Efeitos Ambientais do deu Cultivo. Revista Valore, Volta Redonda, v. 3, n. 495-507, 2018.

Most read articles by the same author(s)